#JOGAJUNTO

NBB CAIXA

Só aplausos

25-04-2018 | 07:02
Por Marcel Pedroza

Melhor campanha na história e time sensação da temporada: com roteiro "improvável", Caxias se despede do NBB CAIXA 2017/18 com sentimento de "dever cumprido"

Mesmo com eliminação, torcida do Caxias aplaudiu de pé a equipe pelo desempenho histórico no NBB CAIXA (Matheus Magnani/Caxias Basquete)

A campanha do Banrisul/Caxias Basquete no NBB CAIXA 2017/2018 é digna de muitos aplausos. E foi exatamente isso o que aconteceu. Depois de ser eliminada pelo Mogi das Cruzes/Helbor no Jogo 4 das quartas de final, a equipe foi ovacionada por sua torcida, que mais uma vez lotou completamente as dependências do Ginásio Vasco da Gama.

A reação dos fãs faz todo o sentido. Em sua terceira temporada na elite do basquete nacional, a equipe teve disparado sua melhor campanha. A colocação final será sexto ou sétimo e, de longe, supera os desempenhos nas edições anteriores. Na estreia, a equipe até chegou aos playoffs, mas acabou eliminada nas oitavas e ficou em 11º. Já no último NBB CAIXA, o desempenho foi ruim e o Caxias amargou o 15º e último lugar.

“É duro você lidar com dois sentimentos ao mesmo tempo, tristeza e orgulho. Perder um jogo em casa, ao lado da nossa torcida, mas a gente sabe que encontrou um adversário com qualidade, que soube jogar nos momentos decisivos e isso fez a diferença. Mas, se eu analisar o todo do campeonato, por tudo que nós fizemos, é muito gratificante. Nós sabemos do tamanho do nosso investimento, a grandeza que é o NBB CAIXA, quanto as equipes investem para jogar esta competição, e pela temporada que a gente fez, realmente foi acima da média”, disse o comandante Rodrigo Barbosa, logo após a eliminação, na última segunda.


Com um elenco completamente diferente da temporada anterior – apenas os pivôs Marcão e Nandão, além de alguns atletas locais, seguiram na equipe –, o Caxias foi sem dúvidas a “grande história” da temporada. Juntando alguns jovens atletas em busca de protagonismo, a equipe rapidamente criou uma química e os resultados não demoraram a aparecer.

“Claro que este ano tivemos uma mudança radical, a comunidade realmente abraçou o time, algumas coisas fantásticas aconteceram ao longo da temporada. Estamos crescendo. O que aconteceu ano passado foi duro para nós. Nós aprendemos muito, neste ano nos formatamos de uma maneira diferente, deu resultado, e tomara que a gente consiga seguir se estruturando, crescendo, para que continuemos com o apoio da comunidade e na próxima temporada estarmos mais competitivos ainda”, disse Rodrigo.

Dos contratados, os únicos que chegaram com status de “jogador de playoffs” foram Cauê Verzola e Alex Oliveira, curiosamente dois atletas que já haviam passado pelo time gaúcho. Os demais, apesar de não estarem em evidência, seja por falta de espaço ou por atuar em equipes menores, foram escolhidos a dedo por Rodrigo. Nessa “leva” chegaram nomes como Cauê Borges e Alexandre Paranhos, talvez os dois principais destaques. Isso sem falar em nomes como o jovem ala Pedro, que não tinha se firmado como “jogador de NBB”.

“Hoje, nosso time proporciona para estes atletas um espaço que talvez eles não tenham em outras equipes, e aí, aqueles jogadores que tem qualidade acabam se destacando. As vezes tem jogadores que estão em times maiores e tem jogadores com muita qualidade que estão sem time e nós temos isso na nossa cabeça, que no mercado não podemos ser tão competitivos como outras equipes, mas também entendemos que esta seleção de perfil é um grande diferencial para nós”, explicou Rodrigo.

“Esse é o caminho para que possamos montar uma equipe competitiva, que tenha todos os compromissos que a gente necessita e obriga aqui dentro da nossa realidade. Montar uma boa base com o grupo atual e buscar jogadores que entendam este espírito, para que possamos crescer”, projetou o treinado para a próxima temporada.

Logo na primeira partida, a equipe venceu o atual campeão Bauru, com uma cesta decisiva de Cauê Verzola nos segundos finais (veja o lance no vídeo abaixo). No duelo seguinte, a equipe “bateu de frente” com o Sesi Franca, mas acabou derrotada na prorrogação. Mas os dois primeiros jogos não foram “sorte” e o time gaúcho seguiu “tumultuando” o NBB CAIXA.

Ainda na fase de classificação, o Caxias conquistou vários feitos expressivos. Um deles foi a nova vitória sobre Bauru, desta vez fora de casa. Depois, na última rodada, a equipe conquistou o que poucos conseguiram nesta temporada: derrotar o então líder Paulistano/Corpore, que vinha de 22 vitórias seguidas. Esses dois triunfos foram fundamentais para a equipe fechar a primeira fase com a honrosa quinta colocação.

Nos playoffs, a “onda” aumentou. Dominante, o time do técnico Rodrigo Barbosa passou pelo Botafogo nas oitavas de final por 3 a 0 e a equipe atingiu as quartas de final pela primeira vez. Diante de uma equipe extremamente acostumada a esta fase dos playoffs, o Caxias foi valente e bateu de frente com o poderoso Mogi.

No primeiro jogo, com o Vascão pulsando, a vitória quase veio. Com um final dramático, os paulistas venceram por 63 a 60 e largaram na frente. Na partida seguinte, um apagão no terceiro quarto deixou a equipe com 2 a 0 de desvantagem na série. Desistir? Jamais. No Jogo 3, Caxias teve um desempenho praticamente perfeito e se manteve vivo no campeonato, além de “brindar” sua torcida com mais um jogo em casa.

A resposta dos fãs foi imediata e os ingressos para o Jogo 4 esgotaram em menos de duas horas. Não cabia mais uma alma no Vascão e o time sentiu a energia. Com grande começo, a equipe chegou a abrir dez pontos de frente, mas o talentoso e experiente time do Mogi soube se recuperar e foi dominante no segundo tempo.

“Poucas equipes jogaram essa temporada tão duro quanto o Caxias. Eles fizeram um grande campeonato e essa série foi muito dura para nós. Vários jogadores do time dele subiram de nível, principalmente o Cauê Borges, que fez uma temporada de MVP”, elogiou o norte-americano Shamell, do Mogi.

Tomar a virada em casa num jogo decisivo? Isso seria inaceitável para a grande maioria das torcidas dos mais variados esportes. Mas não para a do Caxias. Mostrando como foi o clima durante toda a temporada, os fãs preferiram os aplausos ao invés das vaias e mostraram como essa relação de amor entre o time e a cidade é intensa, intrínseca, verdadeira e que só aumenta.

Dois dos principais nomes da equipe, os xarás Cauê Verzola e Borges usaram as mídias sociais para agradecer ao carinho recebido. Confira os posts abaixo:

O NBB CAIXA é uma competição organizada pela Liga Nacional de Basquete (LNB), em parceria com a NBA, e conta com o patrocínio master da CAIXA, os patrocínios da SKY, INFRAERO, Avianca, Nike, Penalty e Wewi e os apoios do Açúcar Guarani e do Ministério do Esporte.

Mais uma temporada acabou, infelizmente não do jeito que gostaríamos, mas de cabeça erguida por quebrar o senso comum que criaram antes mesmo da temporada começar. Pelo tanto que lutamos e por tudo que se criou na cidade de Caxias, uma cidade onde o Basquete mal era ouvido falar e 7 meses depois essa cidade abraçou o basquete de uma forma inexplicável. Gostaria de agradecer a toda diretoria e comissão técnica pela oportunidade e pela confiança que tiveram em mim e todos os meus companheiros de equipe, foi uma satisfação imensa jogar e viver essa temporada com vocês ! Não podia deixar de fora essa torcida maravilhosa que sempre apoiou a gente, até mesmo nos piores momentos, foi uma emoção muito grande ser aplaudido de pé por vocês ontem, isso nao tem preço ! Obrigado por tudo Caxias

Uma publicação compartilhada por Caue Borges (@caueborges4) em

Bom dia, ainda com a cabeça sem conseguir pensar direito, queria passar aqui e agradecer primeiramente Deus e depois TODAS as pessoas envolvidas no Caxias Basquete nessa temporada! Diretoria e comissao tecnica por me dar oportunidade de mais uma vez vestir a camisa e capitanear essa equipe, agradecer a torcida maravilhosa que comprou a idéia e deu show no Vascão todas as noites. Agradeço pelo carinho, por terem nos “adotado” como filhos da cidade. Juntos fizemos coisas muito grandes, depois de toda a desconfiança gerada conseguimos dar uma volta por cima digna de filme. Claro que não terminou como queríamos, mas se olharmos para os dias que se passaram temos muitos motivos para nos orgulhar. Espero que essa semente plantada dê ainda muitos frutos para o basquete da cidade, principalmente se tratando dos jovens que estavam todos os dias no ginásio vibrando com a gente. Que tenhamos sido bons exemplos para todos. Injusto seria citar um a um aqui que conheci esse ano e que fizeram da minha passagem por aqui mais uma passagem inesquecível, mas mais injusto ainda seria nao citar e agradecer @daniel_tres3 , @kpissetti , Bernardo e suas familias por mais uma vez fazerem de tudo para e por mim. O meu muito obrigado. Tia Beth Bellato, @didabellato e família, mais um ano que foram nosso segundo lar, amo vocês! Gratidão também para com a minha família e minha comapanheira @realmeida0_ por aguentarem tudo isso de longe e sempre me apoiando, eu amo vocês… Aos meus companheiros de equipe, QUE ORGULHO da porra de ter vivido tudo isso com vocês. Hoje ainda está amargo, mas daqui uns dias e para o resto de nossas vidas, vamos lembrar dessa temporada com sorriso nos rostos.. vocês foram e ainda são sem duvidas o melhor grupo que ja convivi. Não conhecia quase nenhum de vocês (você sim, xara @caueborges4 hahaha) e 8 meses depois, vocês são meus irmãos para a vida! Amo vocês, obrigado e me desculpem qualquer coisa! Torcida caxiense, VALEU POR TUDO, essa foi (mais) uma temporada em terras gauchas que vou lembrar para o resto da vida! Nunca me esqueçam, por que eu nunca vou me esquecer de vocês! “Sirvam nossas façanhas de modelo a toda terra” Obrigado!

Uma publicação compartilhada por Cauê Freitas (@caue) em