#JOGAJUNTO

NBB

Curiosidades das semifinais

07-05-2015 | 02:33
Por Liga Nacional de Basquete

Semifinal do NBB volta a ter os 4 melhores da fase de classificação depois de duas temporadas; confira dados, recordes e curiosidades sobre a disputa pela vaga na Final

Os 4 de novo
Depois de duas temporadas, uma semifinal de NBB é formada pelos quatro primeiros colocados da fase de classificação. Dentre eles está um estreante, o Limeira. Enquanto isso, o Mogi chegando à esta fase do mata-mata pelo segundo ano seguido, o Bauru também pela segunda vez e o Flamengo confirmando 100% de presença na disputa pela vaga na Final.

NBB 1 – (1º) Flamengo x (4º) Joinville – (2º) Brasília x (3º) Minas
NBB 2 – (1º) Brasília x (4º) Minas – (2º) Flamengo x (3º) Franca
NBB 3 – (1º) Franca x (4º) Flamengo – (2º) Pinheiros x (3º) Brasília
NBB 4 – (1º) São José x (4º) Flamengo – (2º) Pinheiros x (3º) Brasília*
NBB 5 – (1º) Flamengo x (7º) São José – (3º) Uberlândia x (4º) Bauru*
NBB 6 – (1º) Flamengo x (12º) Mogi – (2º) Paulistano x (6º) São José
NBB 7 – (1º) Bauru x (4º) Mogi – (2º) Limeira x (3º) Flamengo

*Temporada sem um time do G-4 na semifinal

Bauru, Mogi, Flamengo e Limeira formaram o G-4 da fase de classificação e disputa pela vaga na Final promete pegar fogo (Arte/LNB)

Bauru, Mogi, Flamengo e Limeira formaram o G-4 da fase de classificação e disputa pela vaga na Final promete pegar fogo (Arte/LNB)

Só duas
Em toda a história do NBB, somente duas das 12 séries semifinais foram vencidas por um time de pior campanha na fase de classificação, ambas com o terceiro colocado Brasília em cima do vice-líder Pinheiros:

NBB 3 – (2º) Pinheiros 1 x 3 Brasília (3º)
NBB 4 – (2º) Pinheiros 2 x 3 Brasília (3º)

100%
O líder da fase de classificação nunca perdeu uma série semifinal para o quarto colocado, ou seja, jamais ficou de fora de uma Final. Será que o Bauru confirma esta escrita diante do Mogi e vai à decisão? Confira os líderes das respectivas temporadas do NBB:

NBB 1 – Flamengo – campeão – foi à Final com o Brasília
NBB 2 – Brasília – campeão – foi à Final com o Flamengo
NBB 3 – Franca – vice-campeão – foi à Final com o Brasília (campeão)
NBB 4 – São José – vice-campeão – foi à Final com o Brasília (campeão)
NBB 5 – Flamengo – campeão – foi à Final com Uberlândia
NBB 6 – Flamengo – campeão – foi à Final com o Paulistano

4º sem sorte
O quarto colocado na fase de classificação nunca foi à Final do NBB em toda a história. Confira os desempenhos dos quartos colocados nas semifinais da competição:

NBB 1 – (1º) Flamengo 3 x 0 Joinville (4º)
NBB 2 – (1º) Brasília 3 x 2 Minas (4º)
NBB 3 – (1º) Franca 3 x 0 Flamengo (4º)
NBB 4 – (1º) São José 3 x 2 Flamengo (4º)
NBB 5 – (3º) Uberlândia 3 x 0 Bauru (4º)
NBB 6 – Limeira eliminado nas quartas pelo 12º Mogi, por 3 a 2

Comemoração Mogi

Quarto na fase de classificação, Mogi chega à semifinal pela segunda temporada consecutiva (João Pires/LNB)

Foram além
A equipe de pior colocação a chegar mais longe na história do NBB foi o Mogi das Cruzes, que na temporada passada, encerrou a fase de classificação na 12ª posição e chegou até a semifinal, perdendo apenas para o campeão Flamengo, por 3 a 1.

NBB 6:
Fase de classificação – 12º
Oitavas de final – 3 x 1 no Pinheiros
Quartas de final – 3 x 2 no Limeira
Semifinal – 1 x 3 para o Flamengo

Cinco sufocos
Das 12 séries semifinais da história do NBB, cinco foram decidias apenas no Jogo 5, sendo somente uma elas vencida por uma equipe de pior campanha na fase de classificação. São elas:

NBB 2 – (1º) Brasília 3 x 2 Minas (4º)
NBB 4 – (1º) São José 3 x 2 Flamengo (4º)
NBB 4 – (2º) Pinheiros 2 x 3 Brasília (3º)
NBB 5 – (1º) Flamengo 3 x 2 São José (7º)
NBB 6 – (2º) Paulistano 3 x 2 São José (6º)

Uma sim, uma não
As semifinais costumam ser extremamente equilibradas. Um dado que prova isso é o fato de somente três das 12 séries que definem os finalistas terminaram em com placar de 3 a 0. Curiosamente, as “varridas” aconteceram sempre em temporadas alternadas, no NBB 1, 3 e 5. Será que alguém passará a vassoura nas semis do NBB 7?

NBB 1 – Flamengo 3 x 0 Joinville
NBB 2 – não houve
NBB 3 – Franca 3 x 0 Flamengo
NBB 4 – não houve
NBB 5 – Uberlândia 3 x 0 Bauru
NBB 6 – não houve

Nunca de fora das semifinais, Flamengo esteve presente em 2 viradas e 2 varridas nesta fase do mata-mata (Gilvan de Souza/Fla Imagem)

Nunca de fora das semifinais, Flamengo esteve presente em 2 viradas e 2 varridas nesta fase do mata-mata (Gilvan de Souza/Fla Imagem)

Virada e Final
Quatro das 12 semifinais da história do NBB foram vencidas pela equipe que iniciou a série perdendo. Confira a lista completa das viradas na briga por uma vaga na Final:

NBB 1 – Brasília 3 x 1 Minas
NBB 2 – Flamengo 3 x 1 Franca
NBB 4 – São José 3 x 2 Flamengo – perdeu os Jogos 1 e 4
NBB 5 – Flamengo 3 x 2 São José – perdeu os Jogos 1 e 4

Recuperação
Largar na frente em uma série de playoff é sempre importante, mas não dá garantia nenhuma de vitória na série. Somente quatro equipes que venceram o Jogo 1 repetiram a dose no duelo seguinte e ganharam também o Jogo 2 em todas as 12 séries semifinais do NBB:

NBB 1 – Flamengo 3 x 0 Joinville
NBB 2 – Franca 3 x 0 Flamengo
NBB 3 – Pinheiros  1 x 3 Brasília – Pinheiros venceu o Jogo 3
NBB 5 – Uberlândia 3 x 0 Bauru

Recepções nada boas
Os times de melhor campanha na fase de classificação não costumam ser muito receptivos com os adversários nos jogos em suas casas em semifinais de NBB. Em toda a história, os mais bem colocados foram derrotados somente seis vezes em 29 partidas que fizeram como mandantes, o que gera um aproveitamento de 79,3%. Confira as derrotas dos times de melhor campanha nas semifinais:

NBB 2 – (1º) Brasília 94 x 103 Minas (4º) – Jogo 2
NBB 3 – (2º) Pinheiros 89 x 90 Brasília (3º) – Jogo 3
NBB 4 – (2º) Pinheiros 74 x 76 Brasília (3º) – Jogo 3
NBB 4 – (2º) Pinheiros 64 x 81 Brasília (3º) – Jogo 5
NBB 6 – (1º) Flamengo 65 x 69 Mogi (12º) – Jogo 2
NBB 6 – (2º) Paulistano 78 x 83 São José (7º) – Jogo 2

Leandro, do Minas, e Guilherme Giovannoni, do Brasília

Série entre Brasília e Minas no NBB 6 foi vencida pelo ganhador do Jogo 3, assim como outras 10 das 12 já realizadas (Orlando Bento/Minas T.C.)

Jogo 3 = decisão?
As semifinais são melhores de cinco jogos, mas pelo que diz a história, vencer a terceira partida é crucial para conseguir a vaga na Final do NBB. Em toda as seis edições anteriores, 11 das 12 séries semifinais foram vencidas pela equipe que ganhou o Jogo 3:

– NBB 1:
Flamengo 3 x 0 Joinville
Brasília 3 x 1 Minas – venceu os Jogos 2, 3 e 4

– NBB 2:
Flamengo 3 x 1 Franca – venceu os Jogos 2, 3 e 4
Brasília 3 x 2 Minas – venceu os Jogos 1, 3 e 5

– NBB 3:
Franca 3 x 0 Flamengo

– NBB 4:
Pinheiros 2 x 3 Brasília – venceu o Jogo 1, 3 e 5
São José 3 x 2 Flamengo – venceu os Jogos 2, 3 e 5

– NBB 5:
Flamengo 3 x 2 São José – venceu os Jogos 2, 3 e 5
Uberlândia 3 x 0 Bauru

– NBB 6:
Flamengo 3 x 1 Mogi – venceu os Jogos 1, 3 e 4
Paulistano 3 x2 São José – venceu os Jogos 1, 3 e 5

Gustavinho, do Mogi, e Laprovittola, do Flamengo

Semi entre Flamengo e Mogi no NBB 6 foi uma das únicas sem jogos com mais de 10 pontos de diferença (João Pires/LNB)

Raridade
“Em um playoff, perder por 1 e de 30 pontos é a mesma coisa”. Esta frase, dita pela maioria dos técnicos e jogadores, pode justificar a grande quantidade de partidas com mais de dez pontos de diferença nas semifinais. Das 12 séries semifinais do NBB, somente duas não tiveram nenhum jogo com mais de dez tentos de margem:

NBB 3 – Pinheiros 1 x 3 Brasília
Jogo 1 – Brasília 84 x 80 Pinheiros – 4 pontos de diferença
Jogo 2 – Pinheiros 89 x 90 Brasília – 1 ponto de diferença
Jogo 3 – Pinheiros 99 x 92 Brasília – 7 pontos de diferença
Jogo 4 – Brasília 99 x 93 Pinheiros – 6 pontos de diferença

NBB 6 – Flamengo 3 x 1 Mogi das Cruzes
Jogo 1 – Flamengo 88 x 82 Mogi – 6 pontos de diferença
Jogo 2 – Flamengo 65 x 69 Mogi – 4 pontos de diferença
Jogo 3 – Mogi 78 x 80 Flamengo – 2 pontos de diferença
Jogo 4 – Mogi 71 x 79 Flamengo – 8 pontos de diferença

Partidas históricas
Confira algumas partidas que marcaram as semifinais do NBB:

– Maior diferença de pontos:
NBB 2 – Jogo 2 – Flamengo 101 x 73 Franca – 28 pontos
NBB 5 – Jogo 2 – Uberlândia 93 x 65 Bauru – 28 pontos
NBB 6 – Jogo 4 – São José 96 x 68 Paulistano – 28 pontos
– Maior número de pontos em um jogo:
NBB 4 – Jogo 4 – Pinheiros 105 x 109 Brasília – 214 pontos
-Maior marca de pontos de uma equipe:
NBB 4 – Jogo 4 – Pinheiros 105 x 109 Brasília – com duas prorrogações
NBB 1 – Jogo 3 – Flamengo 109 x 94 Joinville – sem prorrogação
– Menor número de pontos em um jogo
NBB 6 – Jogo 2 – Flamengo 65 x 69 Mogi – 134 pontos
-Menor marca de um pontos de uma equipe:
NBB 5 – Jogo 2 – Uberlândia 93 x 65 Bauru
NBB 6 – Jogo 2 – Flamengo 65 x 69 Mogi

Gegê, do Flamengo, e Gustavinho, do Mogi (Gilvan de Souza/Flamengo)

Jogo 2 da semi entre Flamengo e Mogi no NBB 6 quebrou dois recordes históricos (Gilvan de Souza/Flamengo)

Recordistas dos playoffs
Confira os maiores anotadores nos principais fundamentos do basquete na história dos playoffs do NBB:

– Jogos disputados
1º – Valtinho (São José) – 67
2º – Arthur (Brasília) – 65
3º – Jefferson William (Bauru) – 63
4º – Alex Garcia (Bauru) – 62
5º – Murilo Becker (Bauru) – 58

– Pontos:
1º – Marcelinho Machado (Flamengo) – 1108 pontos
2º – Alex Garcia (Bauru) – 1066 pontos
3º – Murilo Becker (Bauru) – 1025 pontos
4º – Guilherme Giovannoni (Brasília) – 933 pontos
5º – Marquinhos (Flamengo) – 877 pontos

– Rebotes:
1º – Murilo Becker (Bauru) – 487 rebotes
2º – Jefferson William (Bauru) – 416 rebotes
3º – Olivinha (Flamengo) – 392 rebotes
4º – Shilton (Minas) – 389 rebotes
5º – Guilherme Giovannoni (Brasília) – 343 rebotes

Nezinho, do Limeira, e Fúlvio, do Brasília

Nezinho é o terceiro atleta que mais deu assistências na história dos playoffs do NBB (Nelson Toledo/LNB)

– Assistências:
1º – Valtinho (São José) – 353 assistências
2º – Fúlvio (Brasília) – 314 assistências
3º – Nezinho (Limeira) – 254 assistências
4º – Alex Garcia (Bauru) – 207 assistências
5º – Figueroa (Franca) – 201 assistências

– Bolas de 3 pontos:
1º – Marcelinho Machado (Flamengo) – 169 certas
2º – Marquinhos (Flamengo) – 117 certas
3º – Nezinho (Limeira) – 117 certas
4º – Alex Garcia (Bauru) – 117 certas
5º – Jefferson William (Bauru) – 116 certas

– Bolas de 2 pontos:
1º – Murilo Becker (Bauru) – 330 certas
2º – Guilherme Giovannoni (Brasília) – 242 certas
3º – Drudi (São José) – 237 certas
4º – Alex Garcia (Bauru) – 214 certas
5º – Caio Torres (São José) – 210 certas

– Lances livres:
1º – Alex Garcia (Bauru) – 287 certos
2º – Murilo Becker (Bauru) – 284 certos
3º – Marcelinho Machado (Flamengo) – 269 certos
4º – Valtinho (São José) – 209 certos
5º – Marquinhos (Flamengo) – 204 certos

Alex Garcia, do Bauru

Alex lidera os rankings de lances livres e roubos de bola da história dos playoffs do NBB (Allan Conti/Divulgação)

– Roubos de bola:
1º – Alex Garcia (Bauru) – 86
2º – Nezinho (Limeira) – 77
3º – Valtinho (São José) – 73
4º – Figueroa (Franca) – 72
5º – Marcelinho Machado (Flamengo) – 68

– Tocos:
1º – Murilo Becker (Bauru) – 47
2º – Alex Garcia (Bauru) – 42
3º – Jefferson William (Bauru) – 38
4º – Estevam (Rio Claro) – 38
5º – Léo Waszkiewicz (Franca) – 33

– Duplos-duplos:
1º – Murilo Becker (Bauru) – 20
2º – Olivinha (Flamengo) – 15
3º – Shilton (Minas) – 11
4º – Guilherme Giovannoni (Brasília) – 10
4º – Jeff Agba (Paulistano) – 10
5º – Jefferson William (Bauru) – 9

Recordes das semis
Confira os recordes registrados por um jogador em um só jogo de quartas de final em diversos fundamentos:

– Pontos:
1º – Marcelinho Machado (Flamengo) – NBB 3 – Jogo 2 – Franca 94 x 86 Flamengo – 40 pontos
2º – Guilherme Giovannoni (Brasília) – NBB 3 –Jogo 1 – Brasília 84 x 80 Brasília – 36 pontos
– Rebotes:
1º – Olivinha (Pinheiros) – NBB 4 – Jogo 4 – Brasília 105 x 109 Pinheiros – 20 rebotes
2º – Murilo Becker (Minas) – NBB 3 – Jogo 2 – Brasília 94 x 103 Minas – 15 rebotes
2º – Shilton (Joinville) – NBB 1 – Jogo 1 – Joinville 86 x 88 Flamengo – 15 rebotes

– Assistências:
1º – Sucatzky (Minas) – NBB 1 – Jogo 1 – Minas 91 x 78 Brasília – 17 assistências
2º – Valtinho (Uberlândia) – NBB 5 – Jogo 3 – Uberlândia 80 x 77 Bauru – 14 assistências

– Bolas de 3 pontos:
1º – Manteguinha (Joinville) – NBB 3 – Jogo 1 – Flamengo 109 x 94 Joinville – 9 certas
2º – Marquinhos (Flamengo) – NBB 6 – Jogo 3 – Mogi 78 x 80 Flamengo – 7 certas

– Eficiência:
1º – Guilherme Giovannoni (Brasília) – NBB 3 –Jogo 1 – Brasília 84 x 80 Pinheiros – 41 de valorização
2º – Marcelinho Machado (Flamengo) – NBB 3 – Jogo 2 – Franca 94 x 86 Flamengo – 37 de valorização

Olivinha, do Flamengo

Olivinha, do Flamengo, é o dono da maior marca de rebotes em um só jogo de semifinal do NBB (Gilvan de Souza/Fla Imagem)

Confira o calendário completo das semifinais do NBB 7:

– Paschaolotto/Bauru (1º) x Mogi das Cruzes/Helbor (4º)
Jogo 1 – 10/05 (domingo), às 19h30, no Ginásio Panela de Pressão, em Bauru (SP) – ao vivo no SporTV
Jogo 2 – 12/05 (terça-feira), às 21 horas, no Ginásio Panela de Pressão, em Bauru (SP) – ao vivo no SporTV
Jogo 3 – 15/05 (sexta-feira), às 19h30, no Ginásio Hugo Ramos, em Mogi (SP) – ao vivo no SporTV
Jogo 4* – 17/05 (domingo), às 13 horas, no Ginásio Hugo Ramos, em Mogi (SP) – ao vivo no SporTV
Jogo 5* – 20/05 (quarta-feira), às 19h30 horas, no Ginásio Panela de Pressão, em Bauru (SP) – ao vivo no SporTV

– Winner/Limeira (2º) x Flamengo (3º)
Jogo 1 – 09/05 (sábado), às 16 horas, no Ginásio Vô Lucato, em Limeira (SP) – ao vivo no SporTV
Jogo 2 – 11/05 (segunda-feira), às 19 horas, no Ginásio Vô Lucato, em Limeira (SP) – ao vivo no SporTV
Jogo 3 – 14/05 (quinta-feira), às 20h30, no Ginásio do Tijuca Tênis Clube, no Rio de Janeiro (RJ) – ao vivo no SporTV
Jogo 4* – 16/05 (sábado), às 16h, no Ginásio do Tijuca Tênis Clube, no Rio de Janeiro (RJ) – ao vivo no SporTV
Jogo 5* – 19/05 (terça-feira), às 21h30 horas, no Ginásio Vô Lucato, em Limeira (SP) – ao vivo no SporTV

* Se necessário