A história da última temporada se repetiu e, assim como na edição 2012/2013 do NBB, o São José/Unimed eliminou o UniCEUB/BRB/Brasília nas quartas de final. Na noite desta sexta-feira, no Ginásio Lineu de Moura, no interior paulista, o time do Vale do Paraíba venceu o terceiro jogo da série, por 72 a 70, e garantiu um lugar nas semifinais do maior campeonato de basquete do país pelo terceiro ano consecutivo.

Depois de abrir o confronto com dois triunfos como visitante, no Ginásio Nilson Nelson, a equipe dirigida pelo técnico Zanon sacramentou sua classificação à fase seguinte da competição nacional por três a zero em um duelo repleto de alternâncias no placar e com um final dramático.

Primeiro classificado às semifinais do NBB, São José aguardará o desfecho da série entre Paulistano/Unimed e Vivo/Franca para conhecer seu próximo adversário. Além de garantir um lugar entre os quatro melhores colocados, o time joseense ainda confirmou um vaga em uma competição internacional na próxima temporada. Se for à Final, disputará a Liga das Américas, se não atuará na Liga Sul-Americana

O grande destaque individual do São José na partida ficou por conta do pivô Caio Torres. Dominante no garrafão, o jogador deixou a quadra com um expressivo duplo-duplo de 18 pontos e 19 rebotes. Ao lado do camisa 13, outros bons nomes do time vencedor ficaram por conta do armador Quezada, autor de 15 pontos e oito rebotes, do ala/pivô Jefferson William, outro a somar dois dígitos em dois fundamentos, com 12 pontos e 13 rebotes, e do ala norte-americano Andre Laws, responsável por 11 pontos.

“Foi uma vitória da nossa superação. Entramos para o último quarto atrás no placar, mas rapidamente passamos à frente e conseguimos segurar no final. Difícil até de falar em um momento de alegria como esse. Estou muito feliz e orgulhoso dessa classificação”, exaltou Caio Torres.

Pelo lado do Brasília, que não contou os serviços com Guilherme Giovannoni, de fora por conta de uma lesão na coxa esquerda, os principais pontuadores foram Alex e Goree, com 17 e 16 pontos, respectivamente. Tricampeã do NBB entre os anos de 2010 e 2012, a equipe da capital federal se despede da competição novamente nas quartas de final, após nova eliminação para o algoz São José.

“Não fizemos um bom NBB, desde a fase de classificação. Tivemos muitos problemas com jogadores machucados e nosso time não conseguiu encaixar. Pegamos São José jogando muito e acabamos eliminados novamente”, declarou o armador Nezinho, autor de dez pontos e seis assistências no jogo.

A partida foi realizada com os portões do Lineu de Moura fechados, devido a punição sofrida pela equipe depois de uma confusão na série contra o Palmeiras/Meltex. Este foi o segundo de três jogos de pena, então a equipe ainda cumprirá uma partida da sentença nas semifinais.

A não presença do público não foi um empecilho para que as equipes dessem início à partida em um ótimo ritmo. Praticamente sem erros, os times pontuaram bastante nos minutos iniciais do duelo e o jogo começou lá e cá. Aproveitando o fato de o técnico Sergio Hernandez ter optado por uma formação mais leve, com quatro jogadores abertos, São José explorou bem seus homens de garrafão, Jefferson e Caio, e chegou a colocar cinco pontos de frente (14 a 9).

Rapidamente os candangos reagiram. Se os joseenses souberam utilizara a vantagem de um quinteto mais rápido, Brasília conseguiu desfrutar da maior velocidade de seus atletas. Sendo marcado por Jefferson, que é 15 centímetros mais alto (1,92m contra 2,07m), Alex anotou sete pontos seguidos e a diferença no placar caiu para um ponto (16 a 15). Nos instantes finais da parcial inicial, as equipes trocaram cestas, mas dois tiros de longa distância praticamente seguidos, nas mãos de Goree e Nezinho, fizeram com que os visitantes fechassem o período na frente: 23 a 22.

O nível de produção ofensiva das duas equipes caiu no segundo quarto. Porém a disputa e o equilíbrio seguiram os mesmo. Com muita intensidade e ainda com um alto ritmo, os times seguiram parelhos durante praticamente toda a segunda parcial. Dominando os rebotes – foram 15 contra oito dos candangos no período – e com um alto aproveitamento nas bolas de três pontos, São José rapidamente retomou a ponta do marcador e conseguiu fechar a primeira metade do confronto em vantagem: 40 a 37.

Na volta do intervalo, Brasília apresentou uma forte defesa, passou a não dar espaços e limitou os rivais a apenas 11 pontos na terceira parcial. Enquanto isso, do outro lado da quadra, a equipe dirigida pelo técnico argentino Sergio Hernandez contou com a pontaria de Arthur, autor de duas bolas de três pontos no terceiro quarto, e boas jogadas no garrafão, com Goree, para promover nova virada na partida.

Diante deste cenário, tudo se encaminhava para os candangos levarem cinco pontos de vantagem para a o último e decisivo período da partida. Mas, em um lindo lance invididual, Laws converteu dois pontos no estouro do cronômetro e as equipes foram para os dez minutos finais de jogo separadas por três pontos: 54 a 51 a favor dos representantes da capital federal.

O belo lance individual do norte-americano trouxe um novo ânimo para os donos da casa no início do último quarto. Prova disso foi que em menos de um minuto a equipe conseguiu assumir a liderança do placar, depois de cestas rápidas de Quezada e do próprio Laws (55 a 54). O bom momento dos joseenses prosseguiu e, sem deixar os rivais pontuar, a equipe paulista, novamente com cestas de Quezada e Laws, além de outras duas de Caio, estendeu sua vantagem para nove pontos (63 a 54), com pouco mais de cinco minutos para o fim do duelo.

Depois de um tempo pedido por Hernadez, Brasília saiu da seca, com um tiro de três pontos de Goree. Depois disso, o jogo mudou de cenário. Com mais dois pontos de seu pivô e outros cinco de Alex, Brasília rapidamente reagiu, diminuiu a desvantagem para dois pontos (66 a 64) e colocou fogo nos dois minutos finais de jogo.

Na sequência, São José respondeu bem à reação dos rivais e chegou a colocar seis pontos de frente (72 a 66). Mas ao comenter seguidos erros, os paulistas deram a chance de os candangos se recuperarem. Mas não teve jeito. Nezinho até teve a bola nas mãos para virar o jogo, mas seu arremesso de três pontos caprichosamente rodou no aro e a festa foi mesmo do esquadrão do Vale do Paraíba.