Não teve jeito. O título da quinta edição do NBB ficou mesmo com o Flamengo. Dono da melhor campanha na fase de classificação da competição, o time carioca teve o direito de ter o mando de quadra na Final do campeonato. E deu certo. Com um apoio incrível vindo das arquibancadas da HSBC Arena, a equipe comandada pelo técnico José Neto venceu o Unitri/Universo, pelo placar de 77 a 70, na manhã deste sábado, e se sagrou campeã nacional.

Este foi o segundo título do clube carioca na história do NBB. O time da Gávea também possui em sua sala de troféus a taça da primeira edição da maior competição de basquete do país (2008/2009).

“Fico muito feliz de termos ficado com o título de um campeonato tão equilibrado como é o NBB. Essa conquista foi fruto de muito trabalho deste grupo. Traçamos isso (título) como meta e conseguimos. O mérito é todo dos jogadores, que trabalharam muito para chegarmos até aqui”, disse o técnico José Neto.

Depois de abrir seis pontos de vantagem no primeiro quarto, o esquadrão rubro-negro viu o time mineiro virar o placar ao final do primeiro quarto. Porém, o clube da Gávea realizou um terceiro quarto impecável e chegou para o último período com nove tentos de frente. Restou aos cariocas administrarem a boa diferença nos dez minutos finais de jogo para fazer a festa ao lado de sua torcida, que lotou as dependências da HSBC Arena – ao todo, foram 16.534 torcedores presentes (14.450 pagantes).

O grande destaque individual do Flamengo na grande decisão do NBB5 ficou por conta do pivô Caio Torres. Dominando completamente as ações no garrafão, o jogador deixou a quadra com 23 pontos e dez rebotes para ser eleito o MVP (jogador mais valioso) da partida. Além do camisa 13, o outro grande nome da agremiação carioca no jogo foi o ala Marquinhos, autor de 16 pontos. Pelo lado do Uberlândia, os maiores pontuadores foram o ala/pivô Gruber, responsável por 20 pontos, sendo 18 deles no primeiro tempo, e o pivô Cipolini, que anotou 16 tentos.

Logo nos primeiros minutos do duelo, Gruber mostrou que estava com a mão quente e converteu duas bolas de três pontos para deixar o time visitante na frente, pelo placar de 6 a 4. Porém, do outro lado, Caio e Marquinhos também tiveram muita eficiência nos arremessos, e com sete pontos cada foram fundamentais para que o time da casa virasse o jogo. Dominando a partida com facilidade, no embalo de sua barulhenta torcida, o Flamengo chegou a colocar nove pontos de frente (18 a 7) . Mas, nos minutos finais da primeira parcial, o time mineiro reagiu. Collum e Gruber, que anotou 11 pontos nos dez minutos iniciais do confronto, acertaram tiros de longa distância seguidos e vantagem rubro-negra caiu para apenas seis pontos (21 a 15) ao final do período inicial.

No começo do segundo período quem roubou a cena novamente foi Gruber. Com mais dois arremessos certeiros da linha de três pontos, sendo um deles seguido de falta, o ala/pivô uberlandense anotou mais sete pontos e manteve o esquadrão comandado pelo técnico Hélio Rubens na cola do Flamengo no placar. Mesmo com toda a linda festa dos fãs cariocas nas arquibancadas, a equipe mineira seguiu reagindo. A partir deste momento, os times passaram a errar mais do que acertar. Mas, Uberlândia conseguiu virar o placar e fechar a primeira metade da partida na frente. Até então zerado no jogo, o norte-americano Robert Day acertou um tiro de longa distância no último lance do segundo quarto e colocou seu time em vantagem: 34 a 33.

Na volta do intervalo, o Flamengo não demorou muito para retomar a liderança do placar e inflamar sua torcida. Com bolas de três pontos certeiras nas mãos dos estrangeiros Kojo e Zanotti, o clube da Gávea colocou 41 a 38 de frente, com pouco mais de três minutos jogados no terceiro quarto, e obrigou o técnico rival, Hélio Rubens, parar o jogo. Mesmo com o pedido de tempo do treinador mineiro, o time rubro-negrou seguiu ampliando sua vantagem. Com a dupla Caio Torres e Shilton funcionando muito bem no garrafão, a equipe passou a atuar com tranquilidade na quadra da HSBC Arena. Sendo assim, o esquadrão carioca abriu nove pontos de diferença ao final do terceiro quarto: 58 a 49.

A boa vantagem construída na parcial anterior trouxe tranquilidade ao time da casa no período final. Sem deixar com que seus adversários diminuíssem a diferença no placar em nenhum minuto do último quarto, a equipe comandada pelo técnico José Neto não teve maiores dificuldades para confirmar o título. Caio Torres seguiu brilhando, Marquinhos apareceu bem na parte final do jogo e a festa ficou bonita nas arquibancadas da HSBC Arena. Mesmo antes do apito final, a festa já estava pronta e restou aguardar o cronômetro zerar para que o time carioca soltasse o grito de campeão do NBB 2012/2013.

“O momento de maior alegria foi quando o jogo já estava definido, no momento em que Uberlândia já não tinha mais forças para reagir. A partir daí, a torcida fez uma festa muito linda nas arquibancadas e a gente sentiu isso na quadra. Quero deixar meus parabéns a esta torcida maravilhosa que nos empurrou a este título histórico”, disse Marquinhos.