Fenomenal. Assim pode ser definida a atuação do armador dominicano Manny Quezada, que viveu uma noite memorável nesta segunda-feira e que ficará marcada não só na vida do jogador, mas na história do NBB. Sob o comando de seus inacreditáveis 50 pontos, o São José/Unimed tornou a superar o UniCEUB/BRB/Brasília no Ginásio Nilson Nelson, por 95 a 82, e abriu 2 a 0 na série quartas de final.

Com a incrível marca, que contou com 34 pontos no segundo tempo do jogo, o “Mannymal” estabeleceu o novo recorde de pontos da história dos playoffs do NBB, posto que antes pertencia ao ala Marquinhos, hoje no Flamengo e que, na época, atuando pelo Pinheiros, marcou 43 pontos nas quartas de final do NBB3 diante do Joinville. Junto de sua magistral pontuação, o jogador, de 29 anos, deu cinco assistências e apanhou oito rebotes, totalizando 49 de eficiência, também recorde das Finais.

Esta é a segunda vez que o atleta nascido nos Estados Unidos mas naturalizado dominicano bate um recorde das Finais do NBB, já que, no Jogo 1 da série oitavas de final contra o Palmeiras/Meltex, o jogador cravou a maior marca de assistências dos playoffs, ao distribuir 19 passes perfeitos. Com os 50 pontos, Manny registrou a segunda maior marca de todo o campeonato, ficando atrás apenas de Marcelinho, do Flamengo, que fez 63 pontos, curiosamente, diante do próprio São José, no NBB2.

“Primeiramente quero agradecer a Deus, aos meus companheiros e ao meu treinador, que me deram a oportunidade de me destacar. Essas não são coisas que planejamos, são coisas que acontecem no basquete. Temos que seguir trabalhando pois ainda não acabou a série. O Brasília é uma equipe campeã, com ótimos jogadores, não podemos nos basear nessa vantagem. Precisamos seguir trabalhando para podermos fechar a série”, analisou o dominicano.

Outros destaques do time joseense foram o ala Laws, com 12 pontos, e a dupla de garrafão Jefferson William, com oito pontos e 15 rebotes, e Caio Torres, com nove pontos e 12 rebotes. Pelo lado do Brasília, o maior pontuador foi o ala Alex Garcia, responsável por 31 pontos, seguido pelo pivô norte-americano Marcus Goree, autor de 13 pontos, e pelo ala Arthur Belchor, com 11.

Agora, a série quartas de final se transfere para o Vale do Paraíba, em que as equipes se enfrentarão na próxima sexta-feira (02/05), no Ginásio Lineu de Moura, em São José dos Campos (SP), com transmissão ao vivo através dos canais SporTV.

Devido a uma punição sofrida pelo São José na 2ª Comissão Disciplinar por conta de um incidente envolvendo torcedores no segundo duelo da série oitavas de final contra o Palmeiras/Meltex, o Jogo 3 do confronto quartas de final frente ao Brasília acontecerá de portões fechados.

Marcando por zona, o São José começou a partida melhor, porém, o Brasília não demorou a se acertar em quadra e deixou o confronto extremamente parelho. De um lado, o armador dominicano Manny Quezada, autor de oito pontos, foi o principal condutor do esquadrão paulista na parcial inicial. Do outro, o ala Alex Garcia abusou de suas precisas infiltrações e, com 11 pontos em 11 tentados, liderou os donos da casa rumo à vitória na primeira etapa, por 23 a 15.

A equipe do Distrito Federal seguiu em vantagem no início do segundo período e, mesmo após perder o ala/pivô Guilherme Giovannoni, com problema muscular, ampliou sua vantagem para a casa dos dez pontos (30 a 20). Porém, o time do técnico Luiz Augusto Zanon não se entregou e, com uma impressionante sequência de 14 a 3, passou à frente pela primeira vez no duelo (34 a 33). Os brasilienses responderam rápido e logo viraram o jogo (36 a 34), mas os visitantes tornaram a ficar em vantagem e, sob o comando de Manny Quezada, foi para os vestiários ganhando, por 40 a 38.

Com início arrasador de Quezada, autor dos cinco primeiros pontos do terceiro quarto, o São José abriu sete tentos de frente (45 a 38). Aos poucos, o Brasília foi se reerguendo e tirando a diferença adversária. Ainda com Alex no comando, a equipe do técnico Sergio Hernandez chegou a empatar o confronto (54 a 54), porém, em dois ataques terminados em bolas de 3 pontos – de Laws e Quezada –, o time do Estado de São Paulo não só recuperou sua boa vantagem, como seguiu em superioridade e caminhou para a parcial final com sete pontos à seu favor, placar de 66 a 59.

Depois de bola de 2 pontos de Ed Nelson, a agremiação do Vale do Paraíba chegou a ser de nove pontos (68 a 59). Assim como na etapa anterior, o Brasília foi evoluindo pouco a pouco na partida, sempre comandado por Alex, porém, o máximo que a equipe da casa conseguiu fazer foi reduzir a frente joseense para cinco pontos (81 a 76). Nos minutos finais, os paulistas tornaram a ficar com boa vantagem em mãos e tiveram tranquilidade para fechar a partida e abrir 2 a 0 na série quartas de final

“O Quezada teve controle total da partida. Eles estavam fechando bem o garrafão e liberavam nossos pivôs para chutar de fora. Quando tentávamos infiltrar, o Caio e o Jefferson sempre estavam lá. Mas no terceiro jogo encontraremos um jeito certo de atacar e conseguiremos a vitória”, declarou o armador Nezinho, do Brasília, autor de oito pontos.