#JOGAJUNTO

NBB CAIXA

MVP! MVP! MVP!

01-06-2013 | 04:14
Por Liga Nacional de Basquete

Com domínio absoluto no garrafão, pivô rubro-negro Caio Torres é eleito o MVP da Final do NBB 2012/2013

Das mãos de Anderson Varejão, o pivô Caio Torres recebeu o troféu de MVP da Final (João Pires/LNB)

Na partida que coroou o Flamengo como campeão da quinta edição do NBB, ninguém parou Caio Torres. A atuação do pivô rubro-negro pode ser definida como destruidora, pois segurar a força física do camisa 13 foi algo que os jogadores do Unitri/Universo não conseguiram. Cestinha da partida, com 23 pontos, e mais dez rebotes na conta, o jogador foi eleito o MVP da Final (jogador mais valioso da partida).

“A emoção é muito grande. Só tenho a agradecer a todos aqui no Flamengo, que fizeram um ótimo trabalho desde o começo. Fiquei mais feliz ainda por poder ajudar meu time com uma boa atuação, e o importante é que fomos campeões”, comentou Caio Torres.

Certamente, a manhã deste sábado ficará marcada da memória de Caio Torres por muitos e muitos anos. Envolvido na confusão generalizada da quarta partida da série semfinal entre Flamengo e São José, o pivô chegou a ser suspenso preventivamente pelo STJD, e não disputaria a Final. Era um momento de total angústia para o atleta, pois ele ficaria de fora do confronto mais esperado de toda a temporada.

O pivô rubro-negro anotou um duplo-duplo na Final (João Pires/LNB)

Porém, o clube carioca conseguiu um efeito suspensivo que permitiu a participação de Caio na finalíssima. E não deu outra. O pivô fez a diferença e foi o grande nome do jogo decisivo. Aflito com a situação, o jogador afirmou que não dormiu quando soube da punição, só de pensar que ficaria de fora da partida que poderia dar o título à sua equipe.

“Fiquei uma noite sem dormir, muito preocupado em pensar que eu não poderia estar em quadra e ajudar meu time nesta Final. Mas felizmente conseguiram a minha liberação e deu tudo certo”, contou o pivô.

Colega de posição e seu reserva imediato, o pivô rubro-negro Shilton rasgou elogios aos MVP da Final, e ainda se diz um responsáveis pela evolução de Caio Torres na temporada.

“Tenho certeza que ajudei muito o crescimento do Caio esse ano. A minha função é essa, entrar para defender forte sempre, para tirar o volume de quem joga mais ofensivamente. Essa evolução do Caio e do time, partiu do desempenho e do empenho de cada um na quadra todos os dias”, falou Shilton.

Além da medalha de ouro no peito e prêmio de MVP da Final, Caio ainda faturou o prêmio de Melhor Pivô da competição. Com médias de 13,4 pontos e 6,8 rebotes por jogo, o jogador de 2,11 e 132kg comemora as conquistas individuais que acumulou, mas acredita que qualquer outro jogador de sua equipe poderia ter se destacado na partida decisiva e levado o ‘caneco’ de melhor em quadra.

“O prêmio de MVP é o de menos. O importante foi a vitória, e que o time jogou muito bem. O que eu fiz qualquer jogador do time, reserva ou titular, poderia ter feito. Felizmente foi comigo, mas no nosso time tem muitos jogadores que poderiam ter conquistado esse prêmio”, comentou o camisa 13 rubr-negro.

Com seu nome gritado por mais de 16 mi torcedores após a conquista do título, Caio Torres considera a massa rubro-negra como fator fundamental para levantar o troféu de campeão do NBB. Segundo ele, decidir as partidas ao lado da nação flamenguista foi essencial.

“Esse ano fizemos um campeonato melhor. Conseguimos ficar em primeiro lugar na fase de classificação e decidir os jogos em casa, e este foi o diferencial. Com certeza, a torcida foi o diferencial. O time está de parabéns, estamos todos de parabéns”, finalizou o MVP da Final, Caio Torres.

Caio Torres e Gegê, do Flamengo, comemoram o título do NBB (João Pires/LNB)