#JOGAJUNTO

NBB

"Tive tudo paranão ser nada"

23-07-2020 | 05:01
Por Liga Nacional de Basquete

Em entrevista ao Podcast Território NBB, Dikembe relembrou época difícil na adolescência

É impossível não se emocionar ao ouvir o último episódio do Podcast Território NBB, que teve Dikembe como convidado especial. O vencedor do prêmio de Destaque Jovem da última temporada relembrou e comentou passagens da sua infância e a trajetória no basquete, com a ajuda de pessoas importantes da sua vida.

Seus pais, técnicos e amigos enviaram áudios que foram ouvidos pelo pivô no decorrer da gravação do podcast. Um dos momentos mais marcantes do episódio foi propiciado por um relato do técnico Altieri, que treinou Dikembe no Sub-14 e 15 de Barueri.

“O Dikembe dava muito trabalho, você não tem noção. Ele dormia no ônibus que o levava de Itapevi para Barueri, fazia tudo errado, e quando foi para o alojamento, tocava o terror. Brigava direto. A hora que mudou mesmo foi nas férias. Era para ele ter sido mandado embora. Tivemos que votar pela dispensa dos jogadores e se não fosse o meu voto, que valia dois, ele teria saído. Ele ficou com algumas condições. Uma delas era que só poderia jogar depois que apresentasse as notas do primeiro bimestre”, contou.

Dikembe, com a camisa 15, no time Sub-15 de Barueri Arquivo Pessoal)

Dikembe, número 15, no time Sub-15 de Barueri (Arquivo Pessoal)

Emocionado pela lembrança, Dikembe revelou que essa fase representou um ponto de virada em sua vida.

“Eu já tive tudo para não ser nada, perder a cabeça e ir para o tráfico. Já passei por isso. Me oferecerem serviço, sabe? Eu recusei porque tinha muito medo dos meus pais. Aquele momento, quando eu quase fui dispensado do basquete do Barueri, foi quando eu falei ‘pô, eu tô perdendo tudo, por burrice minha”. Aquele era o futuro que os meus pais queriam para mim, ser um moleque do bem, e o Barueri estava me proporcionando isso. Naquela hora eu falei, ‘tenho que parar de dar cabeçada na parede’”, lembrou Dikembe.

Dikembe teve médias de 10,3 pontos e e 7,8 rebotes na última temporada, pelo Paulistano (Wilian Oliveira/Foto Atleta)

“Comecei a pensar que se eu parasse com o basquete e saísse da família que eu tinha em Barueri, eu iria voltar para a rua. Eu sabia disso e não queria que acontecesse. Por isso, mesmo não gostando de estudar eu comecei a me dedicar muito na escola. Quem era da minha sala e estava acostumado a me ver bagunçando, do nada percebeu que eu estava fazendo todas as lições possíveis e impossíveis que tinha para fazer”, completou o pivô.

Essa foi apenas uma de diversas histórias que Dikembe contou no Podcast Território NBB, que está disponível no Spotify, Deezer, iTunes e demais plataformas digitais. Não deixe de ouvir!

O NBB é uma competição organizada pela Liga Nacional de Basquete (LNB), com chancela da Confederação Brasileira de Basketball (CBB) e em parceria com a NBA, e conta com os patrocínios oficiais da Budweiser, Unisal, Nike, Penalty, Plastubos e VivaGol.