#JOGAJUNTO

NBB

Território NBB:Adrien Mouaha

23-02-2021 | 03:45
Por Liga Nacional de Basquete

Personagem do primeiro episódio da série “Nosso Basquete, Nossas Histórias”, Adrien Mouaha foi o convidado da vez do Podcast Território NBB

Nesta terça-feira (23/02), no Podcast Território NBB, sob o comando de Rodrigo Lazarrini e Rodrigo Bussula, Adrien Mouaha foi o convidado da vez. Personagem principal do primeiro episódio da série “Nosso Basquete, Nossas Histórias”, Adrien contou com mais detalhes um pouco mais da sua história.

Nascido em Camarões e filho de um banqueiro, o jogador de hoje 24 anos teve uma boa infância até os seis, sete anos. Nesse período, infelizmente, seu pai foi assassinado pelo governo regente e o pequeno Adrien, junto de sua mãe e irmãos, fugiram do país em busca de segurança e uma vida melhor.

“A última lembrança que tenho dele são os olhos se fechando. Às vezes eu durmo e sonho com ele, volto na situação. Depois que isso aconteceu fomos morar nos Estados Unidos, já que minha mãe tinha uma irmã que morava lá, além de alguns tios que moravam lá e no Cánada”, disse.

Nos EUA, Adrien teve o primeiro contato com o mundo da bola laranja. O motivo, acreditem, é um pouco que incomum.

“Antes de jogar basquete, eu jogava baseball. Quando cheguei nos EUA eu jogava baseball, mas quando fui para o Middle School (5º ao 9º ano), eu via meus amigos viajando para jogar basquete. Um dia eu fui no jogo de basquete e tinha mais pessoas lá do que normalmente no baseball. Nesse dia eu decidi que começaria a jogar basquete.

E a história do Adrien com o mundo da bola laranja deu certo, tanto que jogou do Middle School até a Universidade, em Miami, conseguindo bolsas de estudos no caminho. Mas, mesmo com isso, o jogador sentiu a necessidade de conquistar a tão sonhada independência financeira e rumou para a América do Sul, primeiramente no Equador e, em seguida, desembarcando no Brasil, com o objetivo principal de buscar o sonho de ajudar a mãe e se tornar jogador de basquete profissional.

“Eu queria ser independente o mais rápido possível. Eu tinha amigos que já jogavam na D1 (NCAA), na Europa. A galera da Europa, em especial, já ganhava o próprio dinheiro, comprava as próprias coisas. Isso me motivou a buscar essa independência e por isso eu decidi ir para o Equador”, disse o jogador que completou:

“Cheguei em São Paulo graças ao contato do meu técnico do Equador, que me colocou em contato com o André Brazolin. Ele tinha um time que jogava o Paulista A-2 e comecei a treinar com eles”, afirmou.

Bom, quer saber mais dessa história? Confira o primeiro episódio da série Nosso Basquete, Nossas Histórias e também o nosso Podcast completo com o Adrien: