#JOGAJUNTO

NBB CAIXA

As 5 maioresviradas

18-04-2019 | 05:52
Por Liga Nacional de Basquete

Desvantagem na série? Nada é impossível: veja as 5 maiores viradas da história dos playoffs do NBB CAIXA

Um dos maiores atrativos das séries de playoffs, sem dúvidas, são as viradas. Quem aí não tem uma bela reviravolta guardada na memória? Nós temos algumas…

Ao longo da história do NBB CAIXA, foram realizadas 107 séries de mata-mata, sendo que 31 delas foram vencidas de virada.

Das 31 viradas, seis aconteceram após uma das equipes abrir 2 a 0 de vantagem – quatro do Pinheiros e duas do Bauru.  Essa é para poucos, hein?

Por esses motivos, fizemos um Top 5 com as maiores viradas de todos os tempos dos playoffs do NBB CAIXA. É cada história… Se liga:

#5 – Minas 1 x 3 Macaé – Oitavas de final – NBB CAIXA 2014/2015

Era somente a segunda temporada do Macaé Basquete na elite do basquete nacional. Na ocasião, o time macaense havia sido 12º colocado na fase de classificação e teve pela frente o Minas (5º) nas oitavas de final.

Depois de perder o Jogo 1 fora de casa (90 a 78), a equipe do litoral norte fluminense se recuperou e venceu o segundo duelo na prorrogação (81 a 80), também em BH. A vitória veio com grande atuação de Jamaal, hoje no Botafogo, com 23 pontos, sendo oito deles no tempo extra.

Após perder Jogo 1, Macaé empatou a série contra o Minas com vitória fora de casa (Raphael Bózeo/Macaé Basquete)

Em seguida, após empatar a série em 1 a 1, o Macaé teve dois jogos no “caldeirão” Ginásio Juquinha, e o desfecho não poderia ser outro: vitória larga no Jogo 3 (91 a 62) e classificação carimbada no Jogo 4 (92 a 86), com mais uma atuação digna de aplausos de Jamaal, com 30 pontos (6/7 nas bolas de 3).

Jamaal teve média de 22,3 pontos nas três vitórias do Macaé (12º) na série de oitavas contra o Minas (5º) (Raphael Bózeo/Macaé Basquete)

Infelizmente não temos tantas imagens da festa que rolou em Macaé. Teve até telão do lado de fora do Juquinha. Já imaginou? Só quem esteve presente sabe o que foi…

#4 – Bauru 3 x 2 Pinheiros – Semifinal – NBB CAIXA 2016/2017

Essa é outra que ficou marcada. Ver o Pinheiros abrir 2 a 0 não foi problema para o Bauru, que aplicou a virada em  cima do próprio clube que foi autor de quatro das seis viradas de 2 a 0 na história. Irônico, não?

Foi nas semifinais da temporada 2016/2017. Na oportunidade, o Pinheiros tinha um Holloway (MVP daquela edição) totalmente absurdo e venceu de cara os dois primeiros jogos da série (98 a 86 e 89 a 83).

Se liga na cara que o Holloway fez na vitória do Jogo 2 no Panela de Pressão…

Com Holloway “ridículo”, o Pinheiros abriu 2 a 0 no Bauru e ficou a um passo das Finais (João Pires/LNB)

Mas nada estava acabado. Na partida seguinte, o Bauru se reergueu e venceu o duelo no Panela de Pressão, por 94 a 77. Já no Jogo 4, em São Paulo, mais uma vitória do Dragão, desta vez por 76 a 72. Série empatada em 2 a 2.

E por fim, no Jogo 5, o Pinheiros até começou melhor, mas viu o time bauruense virar o jogo no segundo período, controlar a vantagem e garantir a vaga para à finalíssima ao vencer o duelo por 66 a 60.

Mesmo perdendo os Jogos 1 e 2, quem festejou por último na semifinal do NBB CAIXA 16/17 foi o Bauru (João Pires/LNB)

Mais um clique da festa que o Bauru fez:

O Panela de Pressão foi à loucura depois da classificação à final (João Pires/LNB)

Quer o vídeo? Temos também:

#3 – Limeira 2 x 3 Mogi – Quartas de final – NBB CAIXA 2013/2014

Olha o 12º colocado aprontando de novo. No NBB CAIXA 2013/2014, o Mogi (12º) havia acabado de eliminar o Pinheiros (5º) por 3 a 1 nas oitavas de final e foi às quartas enfrentar o Limeira (4º), que descansou durante as oitavas.

A eliminação sobre o Pinheiros já havia sido histórica, mas o melhor ainda estava por vir…

O Limeira venceu os dois primeiros confrontos fora de casa, no Ginásio Vô Lucato. Com isso, a situação ficou delicada para o Mogi, mas quem disse que eles desistiram?

Limeira, de David Jackson, abriu 2 a 0 em cima do “azarão” Mogi (JB Anthero/Divulgação)

Nos dois duelos seguintes no Ginásio Hugo Ramos, o Mogi deu o troco na mesma moeda e, com duas grandes vitórias (88 a 81 e 72 a 60), empatou a série em 2 a 2. O que era somente um sonho começou a virar realidade…

Mogi venceu dois jogos no Hugo Ramos e deixou tudo igual na série contra o 4º colocado Limeira (Cleomar Macedo/Mogi Helbor)

O último e decisivo confronto foi dramático. Em duelo para lá de equilibrado no Ginásio Vô Lucato, o time mogiano virou o jogo nos segundos finais com uma linda cesta de 3 pontos do norte-americano Jason Smith e sacramentou a virada épica da equipe.

Quem diria que um 12º colocado iria eliminar um time do G-4… Não falamos que nada é impossível?

Fim de papo! Com bola heroica de Jason Smith, Mogi se tornou o primeiro 12º colocado a ir às semifinais (Moisés Lima/LNB)

E tinha torcida do Mogi presente! Se liga na festa que a galera fez…

Eita cena bonita… (Moisés Lima/LNB)

Esse foi somente um dos primeiros capítulos da história GIGANTE do basquete de Mogi das Cruzes, que anos mais tarde se firmou como potência no cenário nacional.

#2 – Flamengo 2 x 3 Pinheiros – Quartas de final – NBB CAIXA 2016/2017

Esse episódio ficou marcado não só pela virada, mas sim pelo conjunto da obra. Foi na série quartas de final entre Flamengo e Pinheiros.

Logo de cara, o clube da Gávea venceu os dois primeiros duelos, um em São Paulo e outro em seus domínios (96 a 85 e 83 a 73). Mas alguém imaginou que os atuais tetracampeões do NBB CAIXA deixariam escapar essa vantagem?

A torcida do Flamengo já comemorava, mas quem festejou por último foi o Pinheiros (João Neto/LNB)

Em seguida, a equipe paulista venceu o Jogo 3 fora de casa por 90 a 79 e sobreviveu na série (2 a 1).

Já no Jogo 4, em São Paulo, o Pinheiros manteve o alto nível e, com grande atuação de Holloway (32 pontos), venceu o duelo pelo placar de 102 a 98 e empatou a série em 2 a 2. Naquele momento, a moral estava lá em cima…

Com 32 pontos de Holloway, Pinheiros empatou a série em 2 a 2 e forçou a realização do Jogo 5 (Daniel Vorley/ECP)

E o duelo final entre os dois foi para lá de emocionante. Com equilíbrio até os últimos instantes, o Pinheiros se firmou na ponta do placar só no finalzinho, após uma bola curta de 2 pontos de Bennett (76 a 73). Após isso, o Flamengo ainda buscou a virada, mas não conseguiu. Placar final: 78 a 75 e festa pinheirense no Tijuca.

Explosão de emoção: essa foi a festa do Pinheiros com a eliminação sobre o Fla (João Pires/LNB)

Mais um clique da festa pinheirense em solo rubro-negro:

Bennett foi um dos heróis da classificação pinheirense às semifinais (João Pires/LNB)

Com isso, o Pinheiros se tornou o primeiro clube na história do NBB CAIXA a eliminar o Flamengo nas quartas de final.

Pois é. O clube da Gávea, que vinha de quatro títulos seguidos, jamais havia ficado de fora de uma semifinal em todos os tempos da competição. Entendeu o tamanho da façanha?

#1 – Bauru 3 x 2 Paulistano – Final – NBB CAIXA 2016/2017

Enfim, chegamos à maior virada da história dos playoffs do NBB CAIXA. E não poderia ser outra. Essa, no caso, foi nas Finais.

Após passar pelo Pinheiros nas semifinais com a virada já citada nesse Top 5, o Bauru enfrentou o Paulistano na finalíssima e, logo de cara, sofreu duas derrotas apertas na série melhor de cinco (82 a 78 e 78 a 74), sendo a última delas em pleno Panela de Pressão.

Essa emblemática foto representa o panorama da série naquele momento:

Vibração do CAP e frustração do Dragão: assim terminaram os dois primeiros jogos da série (João Neto/LNB)

E quem diria que tudo iria mudar…

Mesmo com os resultados adversos, o Dragão iniciou uma recuperação surpreendente e arrancou duas belas vitórias sobre o CAP nos dois duelos seguintes (90 a 79 e 81 a 64), sendo o último deles no Ginásio Wlamir Marques, casa do Corinthians.

União para sobreviver: Bauru superou os resultados adversos e empatou a série em 2 a 2 (Fotojump/LNB)

A moral do Bauru estava lá em cima para o Jogo 5, enquanto a pressão e apreensão atormentavam os corações do CAP.

A torcida bauruense lotou o Ginásio Gigantão, em Araraquara, e viu um verdadeiro show do Dragão, que de maneira impressionante repetiu a façanha das semifinais.

Dominante, o Bauru venceu o Paulistano novamente, desta vez com tranquilidade, por 92 a 73, e concretizou mais uma virada épica. E essa valeu o título inédito do NBB CAIXA.

Show no Gigantão: Bauru dominou Paulistano no Jogo 5 e ficou com o inédito título do NBB CAIXA (Fotojump/LNB)

E o grito de “É campeão!” estava entalado na garganta dos bauruenses, já que a equipe havia chegado nas duas últimas decisões, mas ainda não tinha conseguido o troféu. Desta vez, o desfecho foi diferente.

O troféu de campeão do NBB CAIXA, enfim, ficou nas mãos do Bauru. Que festa linda! (Fotojump/LNB)

E festa tava como, coach?

O tradicional estouro da champagne veio das mãos do técnico Demétrius (Fotojump/LNB)

Para finalizar, o Mini-Movie desse épico Jogo 5 entre Bauru e Paulistano. Se liga:

Essas foram as maiores reviravoltas da nossa história. Agora, a pergunta que fica é: quais serão as próximas? Fique ligado, pois quando se trata de playoffs do NBB CAIXA, tudo pode acontecer…