A emoção tomou conta do Jogo das Estrelas 2013 e o bom público presente no Ginásio Nilson Nelson, em Brasília (DF), presenciou um fato inédito na história do evento festivo. Pela primeira vez na história, os times decidiram a partida na prorrogação. Neste sábado, o NBB Brasil levar a melhor sobre o NBB Mundo, por 146 a 144, desempatando o placar geral do confronto entre as equipes para 2 a 1. Para completar, a torcida brasiliense ainda foi presenteada com a escolha de seu “xodó”, o ala Alex, do Uniceub/BRB, Brasília, como  MVP (Jogador Mais Valioso).

Para receber este prêmio, Alex marcou 26 pontos, sete rebotes e cinco assistências. Outros que mereceram destaque no NBB Brasil foram Olivinha, com 25 pontos, e Rafael Mineiro, com 23 pontos e nove rebotes. Apesar da vitória brasileira, o cestinha foi o norte-americano Shamell, do NBB Mundo, que anotou 37 pontos. O ala do Unitri/Universo, Robert Day, também teve excelente atuação, ao totalizar 26 pontos. O único jogador que efetuou um duplo-duplo foi Steven Toyloy, do Paulistano/Unimed, com 12 pontos e 14 rebotes.

“Primeiramente estou feliz pela festa. O público aqui de Brasília merecia um jogo como este. A partida foi festiva até os minutos finais do tempo normal. Os gringos começaram a jogar mais sério, e nós (brasileiros) estávamos mais na brincadeira. Mas aí o Neto pediu um tempo e voltamos mais na pegada. O jogo foi emocionante e graças a Deus o Shamell errou aquela bandeja no final da prorrogação”, disse Alex, o MVP da partida.

A partida começou do jeito que todo o torcedor espera de um duelo festivo. Arremessos certeiros de longa distância e contra-ataques rápidos foram a tônica dos minutos iniciais do confronto. Do lado do time brasileiro, Olivinha foi o grande destaque ao anotar 11 pontos. Enquanto isso, pela equipe estrangeira, o ala Shamell iniciou o jogo com muita disposição e anotou dez pontos no primeiro período. A animação dos atletas em quadra se refletiu nas arquibancadas e os torcedores presentes no Nilson Nelson fizeram uma bonita festa. Com muitas vaias para o NBB Mundo e aplausos para o NBB Brasil, o primeiro quarto se encerrou com os atletas “da casa” na frente, por 36 a 34.

O roteiro do duelo seguiu o mesmo na segunda parcial. Porém, os brasileiros aproveitaram para abrir vantagem no placar. Mesmo com os “gringos” tendo realizado uma sequência de jogadas plásticas, especialmente com o ala/pivô Tyrone, o time verde-amarelo aproveitou alguns erros dos rivais e realizou diversos pontos em contra-ataques. O destaque ficou por conta da dupla brasiliense Nezinho e Alex. Atuando em casa, os jogadores do Uniceub/BRB/Brasília foram muito festejados pelos fãs e comandaram a vitória parcial da equipe nacional, por 42 a 28. Sendo assim, o primeiro tempo se encerrou com o placar em 78 a 62 para o NBB Brasil.

Com 16 pontos de desvantagem, os estrangeiros voltaram dispostos a equilibrar o jogo. E foi justamente isso que aconteceu no terceiro quarto. Com uma “chuva” de arremessos de três pontos e uma defesa com um pouco mais de disposição, o time do técnico Lula Ferreira rapidamente equilibrou as ações. A partir deste momento a partida ganhou mais seriedade. Depois de uma “troca de cestas”, o terceiro período se encerrou com os brasileiros ainda na frente, mas por apenas cinco pontos: 101 a 96.

O último quarto da grande festa do basquete brasileiro foi bem disputado. Os dois times reforçaram suas defesas e os estrangeiros encostaram no placar, porém a vantagem sempre ficou do lado brasileiro. Tendo seu nome gritado pela torcida durante quase todo tempo, Alex comandou as ações do NBB Brasil, com sete pontos no período final. Do lado do NBB Mundo, Robert Day estava com a mão pegando fogo. O norte-americano do Unitri/Universo foi responsável por três bolas de 3 pontos consecutivas, que ajudaram sua equipe a diminuir a diferença para dois pontos com 20 segundos restantes. Mas com apenas 1,9 segundos no cronêmetro, os “gringos” tiveram a chance de virar o jogo. Shamell recebeu a bola e já arremessou, porém, recebeu uma falta, que lhe resultou em três lances livres. Com o Ginásio Nilson Nelson inteiro vaiando, o ala do Pinheiros acertou os dois primeiros e errou o segundo, levando o Jogo das Estrelas 2013 para a primeira prorrogação da história do evento (132 a 132).

No tempo extra, os dois compilados de melhores jogadores mantiveram a igualdade no placar. Com aproximadamente dois minutos restantes no placar, os estrangeiros chegaram a abrir sete pontos de vantagem (141 a 134). Porém, o NBB Brasil tornou a empatar o confronto no minuto final (143 a 143), e o Ginásio Nilson Nelson inflamou de vez. Com 13 segundos restantes, Olivinha converteu uma bandeja e colocou os brasileiros em vantagem. Shamell ainda teve a chance de empatar o confronto, mas desperdiçou uma bandeja e a vitória ficou com o NBB Brasil.

“Os dois times estavam brigando, os dois querendo ganhar o jogo. Teve a pressão dos brasileiros, né? Mas fico feliz em ter dado um pouco de moral para eles, pois eles merecem. O mais importante foi a festa realizada aqui no Nilson Nelson em mais uma edição fantástica do Jogo das Estrelas”, brincou Shamell, cestinha do jogo.