O Flamengo largou na frente na briga por um lugar na Final do NBB 2013/2014. Na noite desta segunda-feira, atuando ao lado de sua torcida, no Ginásio do Tijuca Tênis Clube, no Rio de Janeiro, o time carioca superou o Mogi das Cruzes/Helbor, pelo placar de 88 a 82 e abriu 1 a 0 de frente na série válida pelas semifinais do maior campeonato de basquete do país.

No comando do placar durante praticamente todo o jogo – os paulistas só estiveram à frente no marcador por poucos minutos durante o segundo quarto, os atuais campeões da competição nacional e da Liga das Américas tiveram tranquilidade para segurar as tentativas de reação dos mogianos, principalmente durante o último período, para ficarem em vantagem no confronto que definirá um dos finalistas da sexta edição do NBB.

“Nosso time criou maneira de jogar desde a fase de classificação e tentamos ser o mais consistente possível durante os jogos. É natural a equipe oscilar um pouco durante as partidas, mas hoje soubemos lidar bem com isso e tivemos tranquilidade para sair com a vitória”, declarou o técnico flamenguista José Neto.

Para sair vencedor, o Flamengo contou com bons rendimentos de seus três principais pontuadores no campeonato. Marquinhos foi o cestinha da noite, com 24 pontos, seguido por Marcelinho e Laprovittola, que marcaram 21 e 17 pontos, respectivamente. Juntos, os atletas marcaram 62 pontos, o que representou 70,4% dos pontos da equipe no jogo. Enquanto isso, pelo lado do Mogi, os atletas mais efetivos em quadra foram o ala Filipin, autor de 18 pontos, e o ala/pivô Marcus Toledo, responsável por 17 tentos e cinco rebotes.

“Não fizemos um bom primeiro tempo. Eles dominaram os rebotes e fizeram muitos pontis em segunda chance. Quando você deixa um time como o Flamengo pontuar assim fica difícil ganhar. Mas não nos entregamos e fizemos jogo duro até o fim”, disse o cestinha mogiano Filipin.

Dono da melhor campanha da fase de classificação, o time rubro-negro voltará a atuar em seus domínios no próximo duelo da série. A segunda partida do confronto a ser decidido em uma melhor de cinco jogos acontecerá nesta quarta-feira, às 20 horas (de Brasília), novamente com transmissão ao vivo dos canais SporTV.

Na tentativa de surpreender o Flamengo, o técnico mogiano Paco García mandou à quadra um quinteto inicial diferente, com Smith na armação, Filipin e Patekoski nas alas e Alemão e Sidão como pivôs. A formação não funcionou bem e os donos da casa aproveitaram para largar na frente. Sem deixar os paulistas pontuarem por mais de três minutos, o clube da Gávea teve liberdade para contra-atacar e conseguiu colocar 8 a 0 de vantagem.

A atuação ruim no início da partida fez com que Paco pouco a pouco fosse colocando os atletas titulares da equipe nas últimas partidas em quadra. E deu resultado. Ted Simões interrompeu a “seca” dos visitantes com um tiro de três pontos e a partir de então tudo mudou. Gustavinho e principalmente de Toledo, outros dois jogadores que normalmente começam jogando, saíram muito bem do banco de reservas e Mogi se acertou. Prova disso é que poucos minutos após a arrancada flamenguista, o placar apontava empate (14 a 14). Nos instantes finais do período inicial, Marcelinho chamou a responsabilidade e deixou os cariocas na frente, mas por apenas um ponto (20 a 19).

Logo no primeiro lance do segundo quarto, Gustavinho converteu dois pontos e deixou os paulistas na liderança pela primeira vez na partida (21 a 20). Na sequência, Smith, que voltou à quadra no lugar do próprio Gustavinho, acertou um tiro longo e aumentou a vantagem dos mogianos (24 a 20). Com cestas de Gegê e Marquinhos, os atuais campeões até empataram o placar (24 a 24), mas Mogi voltou a abrir quatro pontos de frente (28 a 24) e fez com que o técnico rubro-negro José Neto parasse o jogo. O tempo técnico fez bem ao Flamengo e a equipe não demorou a retomar a ponta do marcador.

Com mais atitude na defesa, o time mandante voltou a deixar os rivais sem pontuar por algum tempo e, assim como no início da partida, conseguiu rápidos contra-ataque para emplacar uma sequência de 11 a 4 (35 a 32). Já com a liderança nas mãos, o time do técnico José Neto contou com o brilho de Laprovittola para ir para o intervalo na frente. O argentino, que já tinha convertido um tiro de três pontos durante a virada flamenguista, protagonizou um belo lance no Ginásio do Tijuca Tênis Clube, ao acertar um arremesso praticamente do meio da quadra, e levantou a torcida carioca.

Valente, Mogi não se abateu com a jogada do armador rival e Filipin, também da linha de três pontos, fez com que a diferença caísse para três pontos no lance seguinte (38 a 35). Mas, do outro lado, Laprovittola estava inspirado e com mais uma bola de longa distância, deu número finais ao primeiro tempo e foi fundamental para que os anfitriões carregassem seis tentos de frente para os vestiários (41 a 35).

Embalado pelo forte barulho vindo das arquibancadas, o Flamengo voltou melhor para o terceiro quarto. Marcelinho e Marquinhos chamaram a responsabilidade e rapidamente a equipe estendeu sua vantagem para dígitos duplos. Mogi até tentou equilibrar o jogo, graças à mão calibrada de Filipin, mas não conseguiu. Muito irregular em seu ataque, o time visitante não teve forças para segurar o bom momento dos rivais. Nos minutos finais do período, os paulistas até tentaram reagir, mas os cariocas se comportaram bem e conseguiram levar a partida para os dez minutos finais com 11 pontos de frente: 68 a 57.

Nos primeiros minutos da parcial final, o Flamengo deu mostras de que iria confirmar seu triunfo sem problemas e chegou a colocar 14 pontos de frente (73 a 59). Porém Mogi não se entregou. Com destaque para Toledo, a equipe do Estado de São Paulo anotou sete pontos seguidos e baixou o prejuízo no placar (73 a 66), com seis minutos para o fim do jogo. Mas a reação dos comandados de Paco García parou por aí. Mais consistente, o Flamengo voltou a empolgar sua torcida e conseguiu controlar o ímpeto dos rivais, que lutaram até o fim, mas não impediram o êxito dos atuais campeões.