Meyinsse recebe o troféu de MVP da Final (Luiz Pires/LNB)

“Monstro” Jerome Meyinsse faturou o troféu de MVP da Final (Luiz Pires/LNB)

Jerome Meyinsse foi eleito o MVP da Final do NBB 2013/2014. Após marcar 16 pontos e recolher quatro rebotes para o Flamengo na partida que terminou com o apertado placar de 78 a 76, o norte-americano transformou-se no primeiro estrangeiro a ganhar este prêmio e manteve a hegemonia dos pivôs nas decisões do maior campeonato de basquete do país.

O gigante do elenco carioca teve um começo de temporada turbulento. A morte de seu pai, que estava nos Estados Unidos, não permitiu que participasse do primeiro compromisso do time na temporada do NBB, contra o UniCEUB/BRB/Brasília, curiosamente na própria HSBC Arena.

No mesmo ginásio, Meyinsse coroou a sua primeira temporada no campeonato brasileiro. Como dono do garrafão, o camisa 55 rubro-negro teve papel crucial na vitória do Flamengo sobre o Paulistano/Unimed, ao deixar a quadra com 16 pontos de 23 tentados e ser o cestinha da partida ao lado do seu companheiro Marcelinho Machado.

“Ganhar esse prêmio significa muito para mim. Meu pai faleceu no começo do campeonato, então eu dedico esse prêmio a ele. Dedico também à minha mãe. Eles dois sempre me fortaleceram, sempre me ajudaram a continuar jogando e me dedicando. Esse prêmio é para eles”, disse Meyinsse, emocionado.

Labbate, do Paulistano, e Meyinsse, do Flamengo (Ricardo Ramos/LNB)

Meyinsse teve papel fundamental no terceiro título do Flamengo no NBB (Ricardo Ramos/LNB)

Essa foi a primeira vez que um estrangeiro venceu o prêmio de MVP de uma Final do NBB. Nos anos anteriores, os lisonjeados foram Guilherme Giovannoni (Brasília – NBB3 e NBB4) e Caio Torres (Flamengo – NBB5). Além disso, todos os MVPs finalistas eram jogadores de garrafão. Desde que este foi estabelecido, no NBB3, apenas os gigantes da área pintada foram agraciados como destaques da partida derradeira.

Jerome Meyinsse fez e continuou uma história. Acima de tudo, porém, adicionou ao elenco do Flamengo para a conquista do terceiro título do clube carioca, em uma temporada de diversas conquistas e meio à adversidade. E foi a mentalidade positiva e a fé de que tudo daria certo que deram forças ao pivô.

“Eu sempre acreditei que isso poderia acontecer, se não acreditar, não vai acontecer. Sempre tentei mentalizar esse momento, ganhar os jogos que ganhamos, os títulos que conseguimos. Realmente foi um ano completo”, finalizou Meyinsse.