O Paulistano/Unimed conseguiu um feito incrível nesta sexta-feira. Mesmo atuando em Ginásio Paulo Sarasate com mais de 7.800 pessoas, a equipe da capital paulista bateu o SKY/Basquete Cearense, em uma partida dramática, decidida apenas nos segundos finais, pelo placar de 69 a 68 e se classificou para as quartas de final da temporada 2012/2013 do NBB para enfrentar o Flamengo, equipe de melhor campanha na fase de classificação.

O triunfo dos comandados do técnico Gustavo De Conti em solo nordestino entrou para a história da competição nacional. Apenas pela segunda vez em todas as cinco edições do campeonato uma equipe visitante vence o quinto jogo de uma série de playoffs. O outro time que conquistou tal feito foi o Uniceub/BRB/Brasília, que na última temporada eliminou o Pinheiros/SKY em São Paulo e avançou à decisão do NBB.

Para conquistar o histórico resultado positivo e se classificar às quartas de final da maior competição de basquete do país pela primeira vez na história, o esquadrão da cidade de São Paulo contou com uma incrível reação nos segundos finais. Com três pontos de desvantagem, Elinho acertou um tiro de longa distância e empatou a partida. Na sequência, após erro dos cearenses, Eddy sofreu falta, converteu um lance livre e confirmou a vitória dos paulistas.

“A vitória não foi só minha, e sim do grupo todo. Fizemos exatamente aquilo que foi combinado durante os 40 minutos e fomos coroados com a classificação. Marcamos por zona e tiramos a confiança deles. Fizemos história e nos tornamos a segunda equipe a vencer um quinto jogo de  playoffs fora de casa. Estamos de parabéns”, festejou Elinho, que além do arremesso decisivo, foi o principal cestinha da equipe na partida, com 16 pontos.

Além do armador, Manteguinha também teve atuação destacada pelos visitantes e deixou a quadra com 11 pontos. Pelo lado do time ceearense, os principais pontuadores foram o pivô Drudi e o ala/armador André Goés, que marcaram 18 e 16 pontos, respectivamente.

A partida começou a acirrada, com as duas equipes disputando a liderança do placar ponto a ponto. Com um bom desempenho de André, que marcou sete pontos no primeiro quarto, os cearenses chegaram a abrir 16 a 10 de frente, mas o Paulistano tinha uma “carta na manga’. Tudo começou com dois pontos de Elinho. Depois, o ala Pedro saiu do banco de reservas, converteu duas bolas de três pontos seguidas para cravar a virada dos paulistas (18 a 16). No lance seguinte, Drudi acertou um arremesso de dois pontos e deu números finais ao período inicial: 18 a 18.

Embalado pelo bom final de primeira parcial, o esquadrão visitante até começou melhor o segundo quarto, mas um aproveitamento ruim na linha do lance livre não permitiu que a equipe colocasse boa vantagem no placar. Nos primeiros cinco minutos do período, o clube da capital paulista acertou apenas três arremessos livres em dez tentativas e desperdiçou a chance de ficar tranquilo no controle do duelo. Do outro lado, a agremiação nordestina aproveitou o vacilo dos rivais e virou o placar.

Mesmo sem apresentar um bom desempenho nos tiros de três pontos diante da defesa por zona do time adversário, o Basquete Cearense contou com boas jogadas do ala Schneider para reassumir o controle do confronto. O camisa 13 do time da casa anotou cinco pontos seguidos e foi fundamental para a virada nordestina antes da chegada do intervalo: 30 a 26.

Na volta dos vestiários, o time anfitrião encaixou uma sequência de 10 a 2 e parecia que iria disparar na liderança. Mas, do outro lado, Elinho e Manteguinha deram a resposta rápida e mantiveram o Paulistano colado no placar. Na sequência, os comandados de Gustavo de Conti chegaram a virar o jogo (49 a 48), mas Drudi, desta vez com quatro pontos seguidos, tratou de recolocar os donos na casa na frente ao final do terceiro quarto: 52 a 49.

O último período foi uma verdadeira “batalha de nervos”. Com a proximidade para o fim do duelo, as equipes sentiram o peso da decisão e passaram a errar mais do que acertar. A liderança no placar passou a se alternar entre os dois times e o jogo ganhou ares dramáticos para seus minutos finais. A pouco mais de um minuto para o término da partida, Elinho converteu dois lances livres e empatou o duelo em 65 a 65.

Na sequência, após erros dos dois lados, a bola voltou para as mãos do time cearense e André Goés resolveu assumir a responsabilide. Com um tiro de três pontos certeiro, o seu quarto no jogo, o ala/armador colocou sua equipe na frente (68 a 65), com 30 segundos para o fim do duelo. Porém, Elinho tratou de dar o troco na mesma moeda, e mesmo desequilibrado acertou um tiro de longa distância e empatou a partida (68 a 68).

Com a bola do jogo nas mãos, e com três segundos para o fim da dramática partida, os cearenses cometeram um deslize e a bola voltou para as mãos do Paulistano. Em uma saída rápida, Eddy sofreu falta, acertou o primeiro lance livre, desperdiçou o segundo propositalmente para o tempo correr, e sacramentou a histórica vitória paulista em solo nordestino.

“Tivemos a condição de ganhar o jogo, mas fomos punidos. Queria que a gente chegasse mais longe e a gente merecia isso”, disse o técnico Alberto Bial, visivelmente abatido após a derrota de sua equipe.