#JOGAJUNTO

Liga Ouro / Mais basquete / NBB

Relembrar é viver:Semana daconquista

30-05-2020 | 11:00
Por Liga Nacional de Basquete

Com a campanha “Semana da Conquista”, Unifacisa retransmitirá neste domingo (31/05) jogo do título da Liga Ouro 2019

Com a quarentena instaurada no país devido a pandemia da Covid-19, muitas vezes o sentimento de nostalgia toma conta de muitos. Bom, com a Unifacisa, equipe da cidade de Campina Grande, no interior da Paraíba, isso não é diferente.

Nesta semana, a equipe de Campina Grande promoveu em suas redes sociais esse sentimento de nostalgia, com foco na conquista da Liga Ouro 2019, que completa um ano neste domingo (31/05). Como forma de prestigiar a data histórica para o time campinense, o Jogo 5 da série Final contra o São Paulo será reexibido neste domingo, às 13h30, ao vivo na TV Itararé.

Para Diego Gadelha, Diretor da Equipe, a conquista foi essencial para que o projeto pudesse crescer e dar o próximo passo rumo ao NBB.

“O título foi fundamental para criar ainda mais essa sensação de orgulho, de pertencimento, para atrair mais parceiros, patrocinadores e representantes da comunidade, se juntando ao projeto e ajudando no desafio grande que era estrear no NBB e fazer um bom papel”, disse.

Na época, com um projeto novo e participado pela segunda vez na Liga Ouro, que até então era a competição que dava acesso ao NBB, a cidade parou para acompanhar a conquista da equipe. Segundo Diego Gadelha, a cidade abraçou o projeto ainda mais com o título.

“Esse sentimento do orgulho transcende o esporte, até o basquete, aqui em Campina Grande. Ele é um sentimento maior que envolve a cidade e, por isso, a final foi um momento único. A cidade parou completamente, parecia final de Copa do Mundo. Todos os bares parados, os principais shoppings centers com telões nas praças de alimentação. Quando chegamos foi uma comoção, com desfile com o corpo de bombeiros e toda a cidade na rua parabenizando, comemorando o feito. Para nós é um orgulho poder representar Campina Grande no cenário nacional”, afirmou.

Agora, quase um ano depois, a cidade vive mais uma vez a ansiedade pelo jogo do título. Nas redes sociais, a equipe lançou a campanha #SemanaDaConquista, em que vem soltando diversos conteúdos referentes ao título histórico, com fotos e vídeos, além de um círculo de palestra com peças fundamentais para que o título fosse do time campinense.

Entre esses nomes temos o armador norte-americano Nate Barnes, que já ganhou o coração da torcida e um dos poucos remanescentes da equipe campeã da Liga Ouro 2019 que ficou para a estreia do time no NBB.

Nate Barnes é um dos remanescentes do título da Liga Ouro (Wilian Oliveira/CAP)

Com médias de 16,5 pontos por jogo, além do recorde de pontos em um jogo da equipe na competição- 38 anotados contra o Sesi Franca Basquete -, o jogador fez valer o passe e foi um dos principais destaques da competição antes do cancelamento da temporada. Para Barnes, é uma honra fazer parte da história da Unifacisa.

“Foi uma honra permanecer no time para a temporada do NBB, especialmente após vencer o campeonato anterior (Liga Ouro). Criei laços com os fãs e com toda a organização. Sinto que essa história irá continuar. Começamos bem com o título da Liga Ouro. Sinto que competimos bem, ainda mais por ser nosso primeiro NBB. Espera que eu possa, assim como todo o time, continuar melhorando nos próximos anos”, reiterou o armador norte-americano.

Outro nome importante na conquista, Pezão também permaneceu na equipe para o NBB 2019/2020. Eleito MVP das Finais da Liga Ouro, o jogador recebe até hoje muito carinho da torcida da equipe campinense, que o trata de forma especial.

“Eu já estava muito feliz com a conquista, com o título da Liga Ouro, e quando me nomearam o MVP das Finais eu fiquei extremamente contente, feliz, abençoado. Especialmente por ter companheiros que me ajudaram dia após dia e me deram suporte para que eu pudesse desempenhar o meu melhor basquete”, disse o MVP das Finais da Liga Ouro 2019.

Pezão foi uma das peças principais para o título da Unifacisa na Liga Ouro 2019 (Daniel Nery/Unifacisa)

Segundo Pezão, rever a partida será algo especial, já que vai poder compartilhar esse momento com seu afilhado recém-nascido.

“Rever a partida toda será uma grande emoção. Lembrar cada emoção que ficou marcado na memória. Vou ver ao lado do meu afilhado, o Miguel. Quando vencemos ele nem tinha nascido ainda, mas agora vamos ver juntos e vou contar que é o padrinho dele que está ali (risos). Será uma coisa muito bacana para mim”, afirmou

Treinador do time que conquistou a Liga Ouro 2019, Eduardo Schafer assumiu o cargo de gerente técnico na primeira aparição da Unifacisa na elite do basquete brasileiro. Para Schafer, que comandou o time a vitória na ocasião, poder rever a partida após um ano da conquista, com tudo que já se passou daquele momento em diante, é algo emocionante.

“Já assisti esses jogos várias vezes, e todas às vezes que vi parece que estou de volta no jogo. Parece que é ao vivo ali. O coração acelera, fico emocionado. Pude ver no último domingo o Jogo 3, na reprise que passaram na TV aqui. Fiquei nervoso e parecia que eu estava no jogo. Vamos ver a final neste domingo novamente. Vai ser muita emoção poder ver mais uma vez o Morumbi lotado, todo o staff da LNB, a transmissão ao vivo na ESPN e por outras emissoras. É sempre emocionante e, às vezes, parece que a ficha ainda não caiu. Por vezes olho onde chegamos, o que conseguimos e a ficha não cai. Foi fantástico, maravilhoso viver tudo aquilo. Encerrou tudo que planejamos e trabalhando para chegar naquele momento”, finalizou o gerente técnico da equipe.

Uma outra perspectiva

Muitos talvez não lembrem, mas o pivô João Vitor, um dos pilares da Unifacisa na última temporada do NBB, esteve presente na partida que deu o título para o time campinense, mas com uma ressalva: ele defendia o rival São Paulo.

João Vitor defendeu o São Paulo na Liga Ouro 2019 (Rubens Chiri/SPFC)

Sim, João Vitor foi jogador do São Paulo durante a Liga Ouro 2019 e, no Jogo 5 em específico, teve uma grande atuação, saindo de quadra com 19 pontos dos 78 marcados pela equipe. Agora, com as cores da Unifacisa, o pivô poderá reviver esse momento que, segundo ele, será visto com outra perspectiva.

“Foi prazeroso demais ter jogado a final da Liga Ouro. Vendo hoje, comigo jogando pela Unifacisa, assistir ao jogo de novo me dá outra perspectiva. Na hora fiquei muito chateado, mas depois de ver tudo que aquilo envolveu e como a cidade parou, acho que foi um título muito merecido. Gostei muito de ter jogado a final, que foi uma das partidas mais importantes da minha vida até agora. Assistindo hoje, com as cores da Unifacisa, não passa outra coisa na minha cabeça além de gratidão por ter sido aceito aqui. O projeto é muito bom e a equipe é respeitosa com todos os atletas. Já tinha visto isso do lado de fora, vamos dizer assim, e fico grato por ter feito parte dessa história, mesmo que do outro lado”, disse.